Mariana trabalha em uma badalada revista de moda. Tem um bom salário, é muito competente... E tem uma queda pelo chefe, daquelas bem poderosas. Eles vivem em mundos completamente diferentes, e Mariana sabe que nunca acontecerá nada entre os dois. Até que Carlos Eduardo repara que sua secretária é muito, muito bonita. O amor entre os dois é arrebatador, e Cadu e Mari sentem que nasceram um para o outro. Mas as coisas logo começam a desandar. Talvez Cadu ainda não esteja preparado para confiar em uma pessoa que teve uma vida tão diferente da sua; talvez Mari ainda não se sinta segura em dividir sua realidade com o chefe. Para viver esse amor, os dois precisarão enfrentar preconceitos e vencer intrigas. Será que estão prontos?

Romance | 280 Páginas | Cortesia Galera Record | Skoob | Classificação: 3/5 

Leia também a resenha de: 
ABC do amor - A. C. Meyer, Brittainy C. Cherry e Camila Moreira 


Este não foi meu primeiro contato com a escrita da A. C. Meyer. Li um conto dela que fez parte do livro “ABC do amor”, e depois da leitura desse conto, fiquei com um gostinho de quero mais. Por isso, aproveitei a oportunidade e comecei a leitura desse livro. No final, confirmei o que já sabia: A. C. Meyer tem uma escrita leve, divertida, envolvente e muito fofa.  

Cadu e Mari” contará a história de duas pessoas, que, apesar de terem muitas coisas em comum, são de mundos diferentes. Mari trabalha como assistente pessoal de Carlos Eduardo, diretor da revista Be, uma das mais famosas do país. Mari sempre foi muito profissional, concentrada no trabalho, eficiente... uma excelente assistente. Porém, um detalhe que ela não demonstra é a queda que sente pelo seu chefe. Eles nunca tiveram nenhuma aproximação ou momentos juntos, além do tempo que passam na empresa. No entanto, num determinado dia, Cadu passa a reparar em Mari; algo que ele nunca fez até aquele momento. Cadu sempre viu Mari como uma ótima funcionaria, uma pessoa dedicada à função. Ele não entende como nunca reparou na mulher maravilhosa que trabalha para ele.


O envolvimento entre Cadu e Mari acontece de forma bem rápida. De uma hora para outra, Cadu passa a enxergar Mari como ela é: uma mulher linda, divertida, diferente das demais mulheres com quem ele se envolveu. Esse detalhe acabou me incomodando um pouco na narrativa: como o cara tem uma assistente há anos e nunca reparou em todas as qualidades de sua funcionária? Qualidades que, depois que eles estão juntos, ele faz questão de mencionar. 

Depois disso, ele passou a reparar mais em Mari: em se jeito, na forma como ela age. Já Mari, acaba estranhando o comportamento de seu chefe. Porque convenhamos, o cara nunca reparou nela, e de repente começa a conversar e a elogiá-la? Aí tem coisa!

“(...) Mensagem: Estou hiperventilando no banheiro. Meu chefe foi abduzido e deixaram um estranho charmoso no lugar.”


Enfim... Depois de um encontro entre eles, os dois começam um relacionamento, sem que ninguém da empresa fique sabendo. Para que os dois consigam permanecer juntos e que o relacionamento deles tenha um futuro, eles precisarão enfrentar o preconceito de algumas pessoas – tanto dentro da empresa, como na própria família de Cadu. Mari sofre bastante dentro da Be. Como ela não é igual às modelos da revista, ela sofre vários preconceitos, mas acaba suportando tudo de cabeça erguida. Mari tem medo de sofrer com mais um relacionamento, contudo, está disposta a entregar seu coração a Cadu e investir nesse novo relacionamento. Com Cadu é um pouco mais complicado; no começo da relação, ele não sabia se podia confiar em Mari, ainda mais com seu irmão falando tantas coisas a respeito da moça. Mas ele decide passar por cima de tudo isso e se entregar a essa paixão.   

“(...) me sinto derrotado. Não por amar você, mas por não ter sido capaz de manter o maior tesouro que eu poderia encontrar, ao meu lado.”

A relação entre Cadu e Mari é muito bonita, é encantadora. E, embora o amor deles tenha surgido de forma tão inesperada, é perceptível o quanto eles se amam. Apesar de Cadu ainda ter dúvidas com relação a sua namorada; outro fato que me incomodou. Cadu muitas vezes se mostrava um cara ingênuo e um tanto cego para o que acontecia ao seu redor. 


“E sabe o que eu vejo agora? Que só o amor não é suficiente. Eu mereço mais, Mereço ser amada e respeitada; mereço me sentir querida por aquilo que eu sou. Mereço ter a total confiança do homem que está ao meu lado.”

Uma das coisas mais legais do livro foi que, em cada abertura de capítulo, era apresentado o trecho de uma música. O casal tem um gosto musical bem parecido. Foi muito bom reconhecer algumas músicas que conheço e que gosto. No começo do livro há uma playlist com todas as músicas citadas no livro.  

Cadu e Mari” é um romance bem fofo, apesar de parecer ser bem clichê. É envolvente e muito divertido. Um ótimo livro para ler em uma tarde de descanso ou para curar uma ressaca literária.







Nas sombras da noite de Caldwell, Nova York, desenvolve-se uma furiosa guerra entre os vampiros e os seus assassinos. Há uma Irmandade secreta, sem igual, formada por seis guerreiros vampiros, defensores de sua raça. E agora, um Irmão obediente deve escolher entre duas vidas...Ferozmente leal à Irmandade da Adaga Negra, Phury se sacrificou pelo bem da raça, convertendo-se no macho responsável por manter a linhagem da Irmandade. Como o Primaz das Escolhidas, ele será o pai dos filhos e das filhas que assegurarão que sobrevivam as tradições da raça, e, que haja guerreiros para lutar contra os redutores. Como sua companheira, a Escolhida Cormia quer ganhar não só o corpo, mas também o coração de Phury para si... Ela vê o guerreiro emocionalmente deteriorado atrás de toda sua nobre responsabilidade. Mas enquanto a guerra com a Sociedade Redutora se torna mais severa, uma grande tragédia abate a mansão da Irmandade e Phury deve decidir entre o dever e o amor.

Jovem Adulto (+18) | 552 Páginas | Editora Universo dos Livros | Skoob | Classificação: 3,5/5 


Leia as resenhas de todos os livros da série clicando aqui



Cuidado: esta resenha pode conter possíveis spoilers dos livros anteriores.


Amante Consagrado é o sexto volume da maravilhosa série escrita pela J.R. Ward. Quando conheci a série não imaginava que me apaixonaria tanto por ela, e que ficaria encantada com esse universo criado pela autora. Sempre fui fã de livros sobre vampiros, e muitas vezes é difícil achar uma boa história com esses seres sobrenaturais. Mas, para minha grande felicidade, eu encontrei. No entanto, Amante Consagrado não me agradou tanto quando eu gostaria.   

Cada livro é focado em um membro da Irmandade da Adaga Negra, e também, de outros personagens que aparecem ao longo dos livros. Cada livro narra as luta de cada e os amores. Apesar das histórias serem focadas nos personagens principais, outros conflitos acontece m paralelamente durante a narrativa. No caso desse livro, acabei me apegando mais aos personagens secundários do que nos protagonistas do livro.

Bom, para quem leu os livros anteriores da série, sabe que Phury é o irmão gêmeo de Zsadisth (um dos meus personagens preferidos da série). Phury é o mais elegante dos membros da IAN. Ele não parece em nada com seus “irmãos”. No final de “Amante LibertoPhury tomou o lugar de Vishous para se tornar o Primaz da raça. Sendo o Primaz, ele teria que se tornar o companheiro das escolhidas e gerar filhos, novos guerreiros que se tornariam - futuramente - membros da Irmandade. Ao todo seriam 40 Escolhidas: elas são vampiras de sangue puro que vivem no Outro Lado, juntamente com a Virgem Escriba (criadora da raça dos vampiros). Sua primeira companheira seria a Escolhida Cormia, que já conhecemos dos outros livros.

Eu não sei o porquê, mas não consegui me conectar bem com os protagonistas. Não me vi torcendo por eles, ou me encantando com o amor de Phury e Cormia. Desde o primeiro livro que não sinto algo muito forte pelo protagonista. Diferente dos outros membros da IAN, Phury nunca despertou meu interesse. Não estou dizendo que não gostei, mas, não suspirei pelos momentos deles juntos, não me emocionei com o amor deles, não me envolvi com os problemas, com as lutas deles dois. Senti-me mais atraída pelas histórias paralela, do que com a história de Phury e Cormia.  

Para realizar a leitura desse livro é preciso que você leia os livros anteriores. Os acontecimentos desse livro são praticamente ligados com o quinto volume. Além de terminar de uma forma que nos faça esperar ansiosamente pela leitura do próximo livro.

Em suma, Amante Consagrado não foi um dos melhores que li da serie, mas, também não cheguei a odiá-lo. Ainda bem que isso não me desanimou, e ainda continuo fã da série e fã da escrita de J. R. Ward. Espero que os próximos livros continuem me agradando. Para quem não conhece as histórias, é uma boa dica. Recomendo!











Cidade dos Etéreos dá sequência ao celebrado O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares, em que o jovem Jacob Portman, para descobrir a verdade sobre a morte do avô, segue pistas que o levam a um antigo lar para crianças em uma ilha galesa. O orfanato abriga crianças com dons sobrenaturais, protegidas graças à poderosa magia da diretora, a srta. Peregrine.
Neste segundo livro, o grupo de peculiares precisa deter um exército de monstros terríveis, e a srta. Peregrine, única pessoa que pode ajudá-los, está presa no corpo de uma ave. Jacob e seus novos amigos partem rumo a Londres, cidade onde os peculiares se concentram. Eles têm a esperança de, lá, encontrar uma cura para a amada srta. Peregrine, mas, na cidade devastada pela guerra, surpresas ameaçadoras estão à espreita em cada esquina. E, além de levar as crianças a um lugar seguro, Jacob terá que tomar uma decisão importante quanto a seu amor por Emma, uma das peculiares.
Telecinesia e viagens no tempo, ciganos e atrações de circo, malignos seres invisíveis e um desfile de animais inusitados, além de uma inédita coleção de fotografias de época — tudo isso se combina para fazer de Cidade dos etéreos uma história de fantasia comovente, uma experiência de leitura única e impactante.

Jovem adulto | 384 Páginas | Editora Intrínseca Skoob Classificação: 4/5


Leia também a resenha de: 




Creio que algumas pessoas devem conhecer o livro O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares, ainda mais pela adaptação que teve ano passado pelas mãos do cineasta, Tim Burton.

No primeiro livro, Jacob viajou juntamente com seu pai para até a ilha de Cairnholm para descobrir mais sobre a vida de seu falecido avô. Mas quando chegou à ilha, ele não imaginava conhecer crianças incomuns, com poderes sobrenaturais. Além de descobrir sobre os peculiares, Jacob descobriu que ele próprio era um peculiar, porém, de um jeito diferente: Jacob é capaz de enxergar os etéreos, que de certa forma são inimigos dos peculiares


Cidade dos Etéreos começa mais ou menos no ponto em que o primeiro termina. No final do primeiro livro, a Srta. Peregrine (uma ymbryne) foi resgatada por Jacob e Emma. O problema é que ela ficou aprisionada em sua forma de pássaro. Para ajudar mais uma vez a Srta. Peregrine, Jacob parte da ilha com as crianças para o País de Gales. E essa jornada será cheia de perigos e descobertas.


Assim que chegam ao lugar, eles são surpreendidos pelos acólitos. Para se protegerem, eles se abrigam em uma clareira. Lá, eles ouvem as histórias contadas por Bronwyn. São historias tiradas do livro Contos Peculiares. Acontece que boa parte dessas histórias são parecida com o que eles estão vivendo. A partir daí, elas são guiadas por esses contos e conseguem encontrar uma nova fenda. Eles, então, conhecem novos peculiares: Addison, o cão falante, e Deirdre, a jumirafa – que é uma espécie com a cabeça e pescoço de girafa e corpo de jumento. Eles contam que Srta. Wren – outra ymbryne  viajou até  Londres para tentar salvar suas outras irmãs, que também foram capturadas pelos acólitos.

Eu amei a forma como o autor criou esse universo dos peculiares. Eu adorei o primeiro livro e as características dos personagens. O livro é narrado pela perspectiva do Jacob, o que foi ótimo nesse caso. Eu continuo gostando do personagem nesse livro, assim como continuo gostando de cada um dos peculiares.  Apenas um detalhe que não me agrada muito no livro que é o envolvimento de Jacob com a Emma. Eu gostaria, nesse caso, que não tivesse nenhum envolvimento amoroso entre os dois. E olha que eu sou uma romântica incurável. 


Agora, eles precisam correr contra o tempo para trazer a Srta. Peregrine de volta. Acontece que se passarem mais de três dias, a ymbryne  ficará na forma de pássaro para sempre. É aí que eles partem para Londres e tentam encontrar a Srta. Wren. O problema é que as crianças estão no meio da guerra, e não será fácil eles escaparem dos perigos dessa guerra e, ainda, fugirem dos acólitos e etéreos.

A narrativa continua sendo frenética com as crianças precisando lutar e fugir dos acólitos. A escrita do Ransom Riggs é ao mesmo tempo envolvente e instigante. Este segundo livro é sim bem melhor que o primeiro. Não que o primeiro tenha sido ruim; mas, ficou ainda melhor. O livro é repleto de reviravoltas; o final... foi de tirar o fôlego. Estou roendo as unhas de ansiedade esperando a oportunidade de ler o terceiro livro da trilogia.

  

Intrínseca está de parabéns pela edição. É impossível não se apaixonar! Quando recebi o livro, abri o pacote e vi de perto... meus olhos brilharam com a belezura desse livro. É em capa dura, estilo hardcover, com jacket. É uma coisa linda! Assim como no livro anterior, esse tem varias fotos que ilustram bem cada momento do livro. Os detalhes – tanto nas páginas, quanto na passagem de cada capítulo – deixam o livro ainda mais perfeito.  

Cidade dos Etéreos está entre os livros que mais gostei de ler. É uma leitura que envolve e diverte. Recomendo a todos. Você não vai se arrepender!  









Sabe quando você está assistindo algum filme ou série e, de repente, o personagem cita uma frase de um livro que você gosta? Ou faz menção a um personagem que você ama? É muito bom, não é mesmo? Adoro quando estou imersa na história de um filme/série, e vejo que durante boa parte, são citados vários livros que conheço e que amo. Separei alguns desses filmes/séries que conheço e adoro.


Leia também:


Um dos exemplos mais conhecidos hoje, com certeza, é a série Stranger Things. Fica evidente para quem assisti a série e, também, para quem, vê de fora todas as referências da produção; que vai desde Stephen King e Steven Spielberg até filmes clássicos do cinema, como: E.T., O Extraterrestre, Contatos Imediatos do Terceiro Grau, Minority Report, Freddy Krueger e Carrie, a Estranha. Saindo de Stranger Things e passando para Flash, tem alguns episódios em especial na série que eu AMO. Estou falando do episódio 17 da segunda temporada que aparece uma “coisa” e o personagem Cisco se refere a ele como Dementador. Ainda nessa mesma temporada, outro episódio muito legal que ele faz referência a Harry Potter é no episódio 20 que o mesmo personagem cita o nome do feitiço capaz de repelir os Dementadores.

The Big Bang Theory é outra série repleta de referências. Nela é mais comum vermos referência a expressões nerds (geeks), além de citarem muitos filmes e séries: A Saga Crepúsculo: Lua Nova, The Good Wife, Harry Potter, Star Wars, Star Trek e muito mais... Quer uma série onde você encontre tantas referências? Assista The Big Bang Theory.

Leia também

Supernatural também cita Harry Potter. Um dos episódios que essa referência se faz mais presente é quase no final da sétima temporada, no episódio 20; quando uma hacker encontra com os irmãos Winchesters e batem um papo sobre Hermione Granger. Que segundo Charlie é sua personagem favorita, além de que, sem Hermione, Harry e Rony não teriam sobrevivido por tanto tempo.

Eu não consigo lembrar todas as referências em The Vampire Diaries. A que eu lembro claramente é quando Damon está lendo Crepúsculo e faz uma comparação entre ele e Edward Cullen. Outro livro que ele lê na série é Cinquenta Tons de Cinza.

iZombie em sua segunda temporada faz uma referência a Game of Thornes e Os Miseráveis. O primeiro é porque o detetive Clive é fã da série. Já a menção a Os Miseráveis é ao som da trilha sonora do filme lançado em 2012. Impossível não cantar junto.

Leia também

A Proposta é um filme que eu adoro. Em uma das cenas, a protagonista menciona que o livro “O Morro dos Ventos Uivantes” é seu livro preferido e que ela o lê sempre no natal. Quem mais é fã do livro?

10 coisas que odeio em você cita Shakespeare, e também fala sobre “O sol também se levanta” de Ernest Hemmingway. O filme A casa do lago cita "Persuasão" de Jane Austen (amo) e também o clássico de Dostoiévski, "Crime e Castigo". Um exemplo de filmes inspirados e com muitas referências é O clube de leitura de Jane Austen, que o nome já diz tudo.  Além de falar sobre as obras da escritora, o filme cita Ursula K. Le Guin, autora dos livros O Feiticeiro de Terrmar e As Tumbas de Atuan, que faz parte da série Ciclo Terramar.

Leia também

A série “Gilmore Girls” é recheada de citações literárias, entre elas estão: “Oliver Twist” de Charles Dickens, “A redoma de vidro” de Sylvia Plath, "Anna Karenina" de Tolstói, e  “Moby Dick” de Herman Melville. Outro filme que cita Harry Potter é “O diabo veste Prada” quando a personagem, Miranda Priestly pede que Andy encontre o manuscrito inédito de “Harry Potter”. O filme Coração de tinta cita “As mil e uma noites” e “O mágico de Oz”. 



Eu vou parar por aqui. Se continuar, este post ficará enorme. Esses foram algumas das referências de que me lembro agora. Se você se lembrar de mais alguma, me fale nos comentários.