Tenho um novo vicio agora: passar horas assistindo Outlander. Desde que fiquei sabendo mais sobre a série e desde que comecei a ver vários comentários de pessoas enlouquecidas com ela, que tenho fiquei viciada na mesma. De primeira, assisti somente o primeiro episódio, parei e deixe para continuar depois. Mas quando saiu a segunda temporada, eu decidi parar de enrolar e assistir de vez. O resultado foi que em menos de uma semana eu terminei a primeira temporada e agora estou acompanhado a segunda, porém com o coração nas mãos por saber que ainda não tem a terceira temporada na Netflix. Eu ainda não tive a chance de ler os livros, mas como estou apaixonada pela série, não vejo à hora de ter a coleção de livros que foram lançados até agora. A série é capaz de conquistar o coração dos apaixonados por séries e também dos apaixonados por romances envolvendo personagens fortes, apaixonantes, e também (por que não?) um escocês lindo e irresistível.


A história começa quando Claire Randall viaja para Escócia acompanhada de seu marido, Frank. Depois de anos servindo como enfermeira no exército durante a Segunda Guerra Mundial. Ela e seu marido ficaram separados durante esse perídio, mas agora, finalmente, ela pode ter seu marido de volta. Quando eles estão na Escócia, eles se veem envolvidos com as histórias do lugar. Claire fica fascinada com um lugar específico. Querendo conhecer mais sobre este lugar, Claire acaba viajando no tempo, precisamente para 1743. No começo ela pensa que está no mesmo local, mas quando percebe que tudo está completamente diferente, que onde deveria haver uma cidade, existe somente um lugar vazio, ela começa a se perguntar o que pode ter acontecido. E, é nesse lugar que ela Jamie Fraser. O encantador escocês que fica intrigado com a pessoa misteriosa que surgiu de repente. Todos pensam que Claire pode ser uma espiã, mas também pensam que ela é um tipo de bruxa. Afinal, o que pensar de uma pessoa tão diferente das mulheres daquela época?


A primeira temporada de Outlander tem um total de dezesseis episódios. Como disse, eu ainda não li os livros, por isso, não posso dizer se tudo na série é fiel aos livros. Mas posso dizer que achei incrível toda a trama. Ainda mais pelo pano de fundo: a guerra entre a Inglaterra e a Escócia.  Outlander ainda traz a força que uma mulher pode ter. A série é recheada de batalhas, intrigas políticas; e cenários de tirar o fôlego.


É claro que uma parte indispensável em uma série, ou filme, são seus personagens. Caitriona Balde entrega uma Claire forte e determinada. Mesmo vivendo em uma época onde as mulheres não eram respeitas e eram constantemente maltratadas, Claire mostra que as mulheres podem ter opiniões iguais aos homens. Ela sofre muito, MUITO MESMO, mas, nem mesmo isso faz com que ela perca sua força. Jamie é um guerreiro que luta pelo seu povo, pelo seu lar, por uma Escócia livre. Ele é forte quando tem que defender aqueles que ama. Ele tem um coração enorme, bom e gentil; apesar de tudo o que já sofreu na vida.


Essa é uma dica para todos que amam histórias sobre viagem no tempo, romances lindos e encantadores, uma boa trama e muita ação. Se apaixone também por Outlander.








Logan Silverstone e Alyssa Walters não têm nada em comum. Ele passa os dias contando centavos para pagar o aluguel, sofrendo com a rejeição dos pais e tentando encontrar um rumo para sua vida caótica. Ela, por outro lado, parece ter um futuro brilhante pela frente. Um dia, porém, um simples gesto dá origem a uma improvável amizade. Ao longo dos anos, o sentimento que os une se transforma em algo até então desconhecido para os dois. Alyssa e Logan não conseguem resistir à atração que sempre sentiram um pelo outro e finalmente descobrem o amor. Mas uma tragédia promete separá-los para sempre. Ou pelo menos é isso que eles pensam. Seriam as reviravoltas do destino e as feridas do coração capazes de apagar para sempre a chama que há dentro deles.

Romance Contemporâneo | 322 Páginas | Editora Record | Skoob | Classificação: 5/5  


Não tem jeito, Brittainy C. Cherry me conquista a cada novo romance. Ela ganhou meu coração, meu respeito e minha atenção. Seus romances são reais, apaixonantes, emocionantes, nos fazendo cair de amores pelos seus personagens e pela sua escrita.  Cada livro da autora aborda assuntos que são presentes no mundo em que vivemos; sua narrativa nos choca, nos fazendo sentir a dor e o desespero dos protagonistas.  

A chama dentro de nós é o segundo volume da série Elementos. Cada livro contará a história de um casal diferente. Nesse livro acompanharemos a história de amor de Logan e Alyssa. Ambos são de mundos completamente diferentes, eles não têm nada em comum, ao mesmo tempo em que são parecidos em muitos aspectos. Mesmo assim, de repente eles se tornaram amigos, uma amizade que os fariam enfrentar as dificuldades que ambos vivem. Eles encontram nessa amizade a força que precisam para enfrentar os problemas que os estão sufocando. Logan desde criança precisou enfrentar a mãe sendo agredida pelo pai que é um traficante. A mesma é dependente química que há muito tempo não tem um dia bom. Logan sente falta da mãe, sente falta da mulher que ela era. Ao mesmo tempo em que a odeia, ele a ama acima de tudo, sempre tentando protegê-la da forma que pode, mesmo que para isso tenha que sofrer agressões do pai. Já Alyssa enfrenta em casa uma mãe rígida, que controla a vida e o futuro da jovem. O pai – um músico, assim como Alyssa –, a abandonou para tentar seguir sua carreira. Alyssa e Logan se sentem perdidos sem o outro. Os dois têm medo do futuro, principalmente Logan, que não tem esperança alguma de um futuro melhor. E, é em meio a todo esse sofrimento que essa grande amizade acaba virando amor. 

Alyssa é uma jovem incrível. Quando conheceu Logan, ela não se importou com os problemas do rapaz, ao invés de julgá-lo – como muitos fariam –, ela prefere estar ao lado do amigo, lhe ajudando, oferecendo apoio, um ombro para chorar. Ela é a pessoa para quem ele liga quando encontra seu pai na rua, quando as coisas não estão bem em casa. Ela está disposta a enfrentar tudo por ele, ela faz de tudo para colocar um sorriso nos lábios de Logan, para vê-lo feliz. Essa personalidade da jovem me conquistou. O livro é contado a partir dos dois pontos de vistas, mas, percebemos que o foco principal é em Logan. Temos a chance de rever algumas cenas do passado dele, de sua luta em casa, em sua dependência química, que em sua mente, lhe permite fugir dos problemas. Ele é uma pessoa muito insegura, que não percebe seu próprio valor. E quando um desastre acontece e ele permite ser ajudado, vemos como é difícil assumir que precisamos de ajuda, de como é difícil para dependentes químicos superar o vicio, e ainda voltar ao mundo real depois de uma reabilitação. E, ainda, vemos como o apoio da família e amigos é importante nessa reabilitação. Logan não teve a chance de encontrar apoio nos pais, mas teve um irmão que ficou ao seu lado, que sempre esteve perto do rapaz, e nunca o abandonou. Kellan é a pessoa, que ao lado de Alyssa, sempre acreditou em Logan, sempre acreditou em seu potencial e que ele poderia lutar contras a dependência química. É lindo ver o quanto os irmãos se amam e se ajudam, de como ter o irmão ao lado foi significante para Logan.

A chama dentro de nós é um romance lindo, sensual, envolvente, emocionante. A escrita da Brittainy é cruel e verdadeira. Embora tenha gostado mais do primeiro livro, esse me conquistou da mesma forma. Estou ansiosa pelos próximos volumes, tenho certeza que Brittainy C. Cherry não nos decepcionará.  





Tomo 1: Antes de serem traídos pelo atual rei, os Galathynius reinaram em Terrasen por séculos. E agora Aelin deseja recuperar a coroa e voltar a seu trono de direito... Mas o caminho até lá é longo e sinuoso. Amigos serão perdidos, lealdades serão quebradas e alianças inesperadas surgirão. Com a vida e poder jurados ao povo que está determinada a salvar, a antiga assassina, conhecida como Celaena Sardothien, colocará a própria segurança em risco para proteger os seus. Mas a única salvação está numa relíquia enterrada nas ruínas de um velho pântano.
Tomo 2: A história de Aelin Galathynius, sempre repleta de ação e intrigas, continua nesta segunda parte do quinto livro da série, Império de tempestades. Aelin Galathyius sobreviveu a prisão, à perda de amigos e amores, às traições. Agora deve vencer seu maior medo para salvar o mundo. Com a vida e poder jurados ao povo que está determinada a salvar, a antiga assassina, conhecida como Celaena Sardothien, colocará a própria segurança em risco para proteger os seus. Mais que nunca, Aelin precisa de Rowan, de Dorian e de todos os aliados para conseguir descobrir a localização da relíquia sagrada capaz de banir de seu mundo a ameaça valg e os horrores libertados em Morath. Chegou a hora de levantar os exércitos de Erilea. De cobrar velhas dívidas... é hora de marchar contra o mais supremo dos males. E confiar na pureza de seu coração para trazer a luz.

Jovem Adulto | 686 Páginas | Cortesia Galera Record | Skoob | Classificação: 5/5 | Leia um trecho 

Obs: Essa resenha pode conter pequenos spoilers dos volumes anteriores.

Eu nunca sei como começar uma resenha dos livros dessa série, ou de todos os livros da Sarah J. Maas. Eu estava me preparando para ler esse livro, ouvi algumas coisas sobre o final dele que me deixou bem angustiada e ansiosa para começar a leitura. Sabia que mais uma vez a dona Sarah me deixaria sofrendo com mais um de seus livros. O pior é ter que esperar tanto tempo pela continuação. Mas vamos ao que interessa... a resenha desse livro MARAVILHOSO, FANTÁSTICO e SURPREENDENTE.

"Aelin não era uma salvadora atrás da qual se amontoar, mas um cataclismo a ser sobrevivido.”

Quem já leu os livros da saga Trono de Vidro sabe bem a história da nossa assassina favorita. Em Rainha das Sombras, Aelin finalmente assumiu sua identidade verdadeira, ela enfim, tornou-se a herdeira do trono de Terrasen. Bom, para começar, nesse quinto volume, ela continua sua busca pelas chaves de Wyrd, e também parte em busca de aliados que possam lutar ao seu lado na batalha contra a ameaça valg. Juntamente com sua corte, Aelin travará batalhas, enfrentará novos perigos, tudo para salvar seu povo e aqueles a que ama.

Eu ainda me surpreendo com o talento dessa autora. Quando eu acho que Sarah J. Maas não poderia melhorar, ela vem e me apresenta Império de Tempestades. Eu AMO essa série! O primeiro livro e o quarto volume foram os que mais gostei, mas esse... foi ESPETACULAR! É tanta reviravolta, tanta emoção, luta, paixão, que devorei o livro em pouco tempo. Estava ansiosa demais para que meus livros chegassem, tive que esperar muito tempo desde o lançamento de Rainha das Sombras. Eu buscava sempre informações sobre esse livro, e a cada novo trecho que lia por aí, me deixava ainda mais agoniada para lê-lo. Começar a ler essa série foi uma das melhores coisas que já fiz na vida.

"Uma corte que não apenas mudaria o mundo. Mas que recomeçaria o mundo. Uma corte que poderia conquistar aquele mundo... e qualquer outro que desejasse."

Aelin continua sendo uma das protagonistas que mais gosto, sua personalidade me conquistou desde o primeiro livro. Ela é uma verdadeira líder, sempre pensando em seu povo, buscando sempre o melhor para cada. Mesmo que antes ela não tenha tido o interesse pelo trono, depois que assumiu sua verdadeira identidade, ela se tornou a rainha que seu povo merece. Ela é Aelin Galathynius, a Rainha que foi Prometida, a Herdeira do Fogo, e fará de tudo para libertar seu povo. E, claro que quando falamos de Aelin, temos que falar do feérico que roubou o coração da Rainha. Rowan, meu príncipe feérico preferido: fiel, corajoso, que estará sempre ao lado de sua Coração de Fogo, ajudando-a, lhe oferecendo apoio, lutando ao seu lado. Desde o momento em que ele apareceu pela primeira vez eu suspiro e me derreto por ele. Acompanhar o crescimento do amor que nasceu entre ele e Aelin foi maravilhoso. É um amor lindo, que enfrentará todos os obstáculos que forem impostos a eles.


"Tudo que Rowan tinha a oferecer à rainha eram a força da espada, a grandeza da magia e a lealdade do coração. Tais coisas não venciam guerras."

Outro personagem que encanta é Aedion, primo de Aelin. Sua devoção e lealdade para com sua rainha é de se admirar. Ao lado de Rowan, eles formam uma dupla de guerreiros dispostos a tudo por Aelin e seu reino. O general é um dos apoios de Aelin, mas também está ali para aconselhá-la a fazer o que é certo. Aedion tem alguns momentos com Lysandra, outra pessoa fundamental em toda a saga. As cenas de lutas que envolvem ela (que é uma metamorfa) e Aelin são de tirar o fôlego. Lysandra é INCRÍVEL! Agora... 
O que falar de Manon Bico de Ferro? Quando a conhecemos em Rainha das Sombras, ela se mostrava sendo uma pessoa fria e sem coração, que se importava somente com suas Treze. Mas, nesse livro vemos que nossa bruxinha tem sim um coração. Ela continua sendo uma pessoa destemida, que não abaixa a cabeça para ninguém, porém vemos alguns momentos em que ela mostra ter sentimentos. Em um determinado momento do livro ela se junta a Aelin... Agora pensem... o que resultará dessa união? Vem muita coisa boa por aí. Falando em coisa boa... é o relacionamento dela com Dorian, nosso querido príncipe, que se tornou rei. Depois de Aelin e Rowan, esse é um dos meus ships favoritos da saga. No final do quarto livro Dorian tornou-se rei depois de ser libertado da escuridão onde foi aprisionado pelo pai, ele também se junta a Aelin na busca por aliados, para assim, retomar seu trono.

"E com todo o desejo do rei de sentir seu gosto, ao abrir a boca para ele, Manon encontrou um gosto de mar, como uma manhã de inverno, algo tão estranho, mas familiar, que por fim aquele gemido lhe foi arrancado do interior."

Império de Tempestades é de tirar o fôlego. É um daqueles livros que você não deve sequer piscar para não perder nada. Sarah J. Maas entrega um dos melhores livros de fantasia que já li. Não estou mentindo, toda a saga Trono de Vidro é maravilhosa. É arrebatadora, instigante. A forma como a autora interliga tudo, desde o começo até agora, te deixará de queixo caído. As cenas de batalhas são as melhores, Sarah cria as melhores cenas, as melhores tramas, nos envolvendo nas intrigas e traições, no sofrimento de cada personagem, em suas dores; fazendo-nos sentir o medo de cada um, a paixão que cada um sente, o amor... é um coisa linda!

Ainda tenho muito a dizer sobre esse livro, mas preciso encerrar essa resenha por aqui. Ainda estou tentando me recuperar do final arrebatador dele. Um dos muitos talentos da Sarah é me fazer sofrer. Sofri com o final de Corte de Névoa e Fúria, e agora estou sofrendo com o final de Império de Tempestades. Só espero que tudo termine da melhor forma possível para todos. Estou torcendo por isso. Por fim, encerro essa resenha dizendo que se vocês ainda não conhecem essa saga, meus querido, não percam essa chance, aproveitem e leiam. Vocês não vão se arrepender!  








Quem são os deuses que regem os caminhos e descaminhos de Amon e Lily, os corajosos heróis da série Deuses do Egito? Por que esses deuses tramam conquistas e vinganças, envolvendo a humanidade em suas maquinações? E por que deixam nos ombros de alguns jovens mortais a responsabilidade pela salvação do mundo?
Antes que Lily e Amon se encontrassem, antes mesmo que o caos dominasse o cosmos e os deuses precisassem de três irmãos corajosos para combater o mal, muita coisa já estava em jogo. Em O duelo dos imortais, vamos conhecer a história dos quatro irmãos que assistiam, com seus poderes especiais, o grande Amon-Rá no governo da Terra:
Osíris, o generoso deus da agricultura, que ajuda os mortais a crescer e prosperar em seu ambiente natural.
Ísis, a linda deusa da criação, que promove a saúde e o bem-estar.
Néftis, a doce vidente, que mantém o equilíbrio entre os seres vivos e o universo.
E por último Seth, o mais jovem, que cresceu desprovido de poderes e desprezado por todos.
Quando, finalmente, os poderes de Seth se manifestam, que efeito sobre a humanidade terá a perigosa mistura de uma infância marcada pela rejeição, uma intensa paixão não correspondida e o incrível poder de desfazer coisas, pessoas... e até deuses?
Romance, traição e vingança são os fios que tecem esta trama surpreendente, cujos personagens imortais despertam em nós os mais profundos sentimentos.

Jovem Adulto | 112 Páginas | Cortesia Editora Arqueiro | Skoob | Classificação: 4/5

Estou um pouco dividida com relação a essa série. Por um lado adoro a escrita da autora, mas, por outro lado, me decepcionei com o segundo livro da série, O Coração da Esfinge. No entanto, resolvi seguir em frente, e quando vi sobre o lançamento de O Duelo dos Imortais não consegui resistir e precisei lê-lo.

Para começar, o livro não é o terceiro da série. Acredito que a maioria das pessoas pensa que sim, mas ele não é. Esse livro fala um pouco sobre a vida dos quatro deuses: Ísis, Osíris, Néftis, Seth. Vamos acompanhar o nascimento do amor entre Ísis e Osíris e também o desenvolvimento do poder de Seth. Da obsessão desse deus por Ísis, seu desejo de vingança por aqueles que o desprezaram, e sua sede por poder.



É um livro bem pequeno e muito gostoso de ler, isso se deve ao fato de a escrita de Colleen Houck ser muito boa e muito envolvente. Quando você está lendo, é difícil perceber o tempo passando. Nele é possível conhecer mais de como tudo começou; do porquê os deuses aprisionaram Seth e o que deu início a história de Amon e seus irmãos. Gostaria de ler mais sobre esses deuses, adoro ler sobre a cultura egípcia, e eu não queria que tivesse acabado.

Embora não tenha lido a outra série de livros da Colleen Houck, ela me conquistou com O Despertar do Príncipe. Seus livros têm um enredo incrível, maravilhoso. Ela sabe desenvolver muito bem seus personagens e toda a trama do livro. É uma leitura deliciosa, fácil, rápida. A narrativa é cativante, instigante e envolvente. Estou ansiosa pelo próximo livro da série. Ainda bem que não desisti dela. Para você que é fã da Colleen Houck, eu recomendo a obra.  






Ally e Charlotte poderiam ter sido grandes amigas se David nunca tivesse entrado em suas vidas. Mas ele entrou e, depois de ser o primeiro grande amor (e também a primeira grande desilusão) de Ally, casou-se com Charlotte. 
Oito anos depois do último encontro, o que Ally menos deseja é rever o ex e sua bela esposa. Porém, o destino tem planos diferentes e, ao longo de uma noite decisiva, as duas mulheres se reencontram na sala de espera de um hospital, temendo pela vida de seus maridos. Diante de incertezas que achavam ter vencido, elas precisarão repensar antigas decisões e superar o passado para salvar aqueles que amam. 
Com a delicadeza tão presente em seus livros, Dani Atkins mais uma vez nos traz uma história de emoções à flor da pele, um drama familiar comovente que não deixará nenhum leitor indiferente.

Romance | 368 Páginas | Cortesia Editora Arqueiro | Skoob | Classificação:  4,5/5

Eu nunca tenho do que me queixar quando o assunto é Dani Atkins. Essa autora maravilhosa conquistou meu coração com “Uma Curva no Tempo”, depois disso, a cada livro seu que é lançado, eu fico ansiosa para ler. E não foi diferente com “Nossa Música”. Esse livro é sobre uma história de amor, mas acima de tudo, é sobre amizade e família.

Tudo começa quando Ally conhece aquele que viria a ser seu grande amor e também sua grande desilusão amorosa. Ela e David se conheceram quando Ally precisou substituir uma pessoa em um concerto, depois disso, eles logo se apaixonaram. Mesmo ambos sendo de mundos diferentes e sempre estarem brigando por motivos bobos. Mesmo com tantas brigas, eles sempre se acertavam, até o dia em que Charlotte entra na vida do casal. Tudo começa a desmoronar na vida de Ally quando Charlotte passa a morar na mesma casa de David e seus colegas. O que poderia se tornar uma grande amizade entre as duas, foi por água abaixo quando David socorre Charlotte quando a mesma estava precisando, esquecendo de um compromisso importante que tinha com Ally. A garota vendo que não conseguiria ficar perto de David depois disso resolve voltar para a casa dos pais, sem ao menos se despedir de David. É durante o tempo que passa na casa de seus pais e ainda tentando esquecer David e todas as lembranças, que Ally conhece Joe. Os dois logo se tornam amigos, uma amizade que mudaria a vida de Ally para sempre. Logo ela percebe que Joe seria aquela pessoa que estaria ao seu lado para sempre.

“Nosso relacionamento se transformara em um trem desgovernado prestes a descarrilar. E embora nós dois soubéssemos que seríamos as grandes vítimas desse acidente, não havia nada que pudéssemos fazer para impedi-lo”.

Mas, como a vida é uma caixinha de surpresas, uma noite foi o suficiente para mudar a vida de Ally. Quando recebe a notícia de que Joe sofreu um acidente e foi levado para o hospital, Ally, ao sair de casa, não poderia imaginar que teria uma surpresa inesperada ao chegar ao local. O destino preparou um reencontro para Ally e Charlotte, as duas se reencontram na sala de espera do hospital. David, marido de Charlotte também está sendo atendido no mesmo lugar que Joe

É quando se reencontram no hospital que percebemos que a história que envolve Ally, Charlotte e David ainda não acabou. Cada um ainda tem muito que dizer e ouvir. Charlotte ainda sente-se insegura com relação à ex de seu marido, seu medo de que David ainda ame seu grande amor do passado. Enquanto Ally tenta esquecer as constantes lembranças que insistem em se fazer presente e se concentrar em seu futuro, em seu marido que está lutando pela vida.

“Eu a queria apagada de sua cabeça, de seu coração e de sua alma, e durante algum tempo pensei que isso tivesse acontecido. Mas será que eu estava apenas me enganando?”

Dani Atkins tem uma forma única e incrível de escrever. A autora nos encanta com suas palavras, com seus personagens. Todo o livro é contado intercalando presente e passado, e temos a chance de ler sobre o começo de tudo: do amor entre Ally e David, da quase amizade entre as duas mulheres, da dor da separação, do recomeço de Ally e de como a vida sempre nos reserva o melhor, basta estarmos abertos a novos sentimentos. Dani Atkins tem o dom de fazer com que nos envolvamos com seus personagens, nos fazendo sentir a dor, o sofrimento de cada um... É claro que com isso estamos correndo o risco de nos desidratar de tanto chorar.

"Pareceu haver um motivo para que estivéssemos todos ali, naquela noite, naquele lugar. Pessoas precisavam ser curadas, e não por médicos e enfermeiros, mas por nós. E a cura estava acontecendo naquele instante."

Nossa Música é uma linda história amor, emocionante do começo ao fim. Que nos conquista e nos faz segurar as lágrimas que insistem em cair. É um livro que indico a todos que buscam uma história sobre amor, superação, amizade, perdão e família.