A última coisa de que Mia se lembra é a música.Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... E o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

Romance | 224 Páginas | Editora Novo Conceito | Skoob | Classificação: 5/5    

A primeira coisa que tenho a dizer sobre o livro é que eu amei. O livro é pequeno, com poucas páginas, então isso facilita muito a leitura, pois não dá aquela canseira de um livro enorme, e isso contribui muito para que a leitura fique rápida e fácil.

A facilidade que encontrei em ler esse livro é porque além do livro ser pequeno, a linguagem dele é muito fácil. O livro é narrado em primeira pessoa pela Mia. A autora conseguiu criar bem seus personagens, a ponto de me fazer gostar de todos. 

Assim que comecei a ler eu não parei em nenhum momento. Foi aquele livro que mantive o mesmo ritmo e não tive problemas em terminá-lo. Com relação aos personagens, como disse anteriormente, gostei de todos, principalmente da família da Mia. Seus pais são aquele tipo de casal jovem, alegres e brincalhões. Seu pai tinha uma banda, mas largou tudo por causa da família; sua mãe é aquela mulher amorosa, que ama acima de tudo seus filhos e aquela pessoa que fala sempre o que pensa sem se importar com a opinião dos outros. Isso faz com que Mia se sinta um pouco deslocada pelo fato de gostar de música clássica, enquanto sua família é inteiramente punk, além de serem engraçados e festeiros, enquanto ela é uma nerd e sempre na dela. Ainda tem o irmão de Mia, Teddy, a relação deles é de amor: ele só dormia quando Mia tocava para ele, era ela que lia sempre um capítulo de Harry Potter () também. Essa família conquistou meu coração, foi por eles que me apaixonei e chorei.

(...) Sei que pode ser idiotice da minha parte, mas sempre me perguntei se o papai de sentia frustrado por eu não ter me tornado roqueira. Esta era a minha intenção, também. Até que, na terceira série, me deparei com o violoncelo durante as aulas de música e ele me pareceu humano. Parecia que, ao tocá-lo, ele lhe contaria segredos, então não hesitei (...)

Tem também seu namorado, Adam. Ele também é músico e toca em uma banda que está começando a ser reconhecida e ficando popular em Portland. O que Mia não não consegue entender é porquê motivo Adam está com ela; não entende o motivo que fez ele ficar justo com ela e durante a leitura você percebe que ele é totalmente apaixonado pela Mia

Logo no inicio temos o acontecimento que muda tudo na via da Mia: o acidente. Tudo que ela se lembra é da música, que ainda toca enquanto ela vê seus pais estirados no asfalto; quando ela vê a si mesma no chão. Mia acompanha os paramédicos tentando salvá-la, acompanha seu deslocamento até o hospital, assisti sua própria cirurgia. Tudo isso como um espectador, sem poder se comunicar com ninguém, sem ser vista, sem saber como está seu irmão. Ela vê o desespero de seus familiares, a preocupação da sua melhor amiga e a angustia do seu namorado.

(…) Adam começa a murmurar alguma coisa. Com a voz bem baixa. Ele não para de repetir: por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por favor. Por fim, ele para e olha bem para o meu rosto:

– Por favor, Mia – implora. – Não me faça escrever uma música.”
Enquanto está na UTI, Mia permanece quase sempre junto ao seu corpo, e durante uma visita dos seus avós, ela escuta uma conversa entres eles e uma enfermeira, que diz: “Você acha que cabe aos médicos, aos medicamentos e as máquinas, mas se você fica ou se você vai, a decisão é sua.” É a partir daí que Mia tem que tomar a sua decisão. 

O livro nos faz refletir sobre muitas coisas: a família, os amigos – a importância que tem a nossa família e nossos amigos –. Nos mostra sobre o valor que damos a nossa vida. Sobre o amor verdadeiro. Para aqueles que ainda não leram, corram e leiam! Assim como eu vocês vão se apaixonar pela história. Se poder assista ao filme, eu ainda não assisti, sempre tive a oportunidade, mas preferi ler ao livro primeiro. E depois de lerem esse, leiam a continuação.




Deixe um comentário

Gostou do post? Então deixe seu comentário. Mas lembre-se, não serão aceitos comentários que contenham qualquer tipo de preconceito ou palavras de baixo calão, respeite os demais leitores.

Obrigada por comentar e volte sempre!!