18 de outubro de 2016

[Resenha] O último dos canalhas - Loretta Chase

O devasso Vere Mallory, duque de Ainswood, está pronto para sua próxima conquista e já escolheu o alvo: a jornalista Lydia Grenville. Só que desta vez, além de seduzir uma bela mulher, ele deseja também se vingar dela. Ao se envolver numa discussão numa taverna, Vere foi nocauteado por Lydia e se tornou alvo de chacota de toda a sociedade. Agora ele quer dar o troco manchando a reputação da moça. Mas Lydia não está interessada em romance, principalmente com um homem pervertido feito Mallory. Em seus artigos, ela ataca nobres insensatos como ele, a quem considera a principal causa dos problemas sociais. Nesse duelo de vontades, Vere e Lydia se esforçam para provocar a derrota mais humilhante ao mesmo tempo que lutam contra a atração que o adversário lhe desperta. E, nessa divertida batalha de sedução e malícia, resta saber quem será o primeiro a ceder à tentação.

Romance de época | 304 Páginas | Editora Arqueiro | Skoob | Classificação: 4/5

Não é de hoje que sou apaixonada por romances de época. Posso até falar isso sempre que leio algum livro com esse gênero. Mas a verdade é que não me canso de dizer o quanto sou apaixonada por esses livros, e o quanto sou apaixonada pela escrita da Loretta Chase. A cada livro que leio dela só confirma o quanto essa autora sabe escrever tão bem um livro que mistura romance, reflexão, superação e humor. E com O Último dos Canalhas não poderia ser diferente.

Vere é o duque de Ainswood, e vem de uma família muito conhecida por ter uma linhagem recheada de canalhas. Vere não faz nada para mudar esse status, na verdade, ele contribui muito para que sua fama só aumente. Sempre no meio de farras e famoso por suas conquistas. No entanto, parece que ele só faz isso para esconder toda a dor que existe dentro dele. Ele já teve que enfrentar a perda de muitas pessoas que amava. Lydia é uma jornalista influente dentre a população da Inglaterra. Ela é conhecia por denunciar o que vê de errado na sociedade: a desigualdade, a pobreza, os maus-tratos, e o que acontece com as pobres garotas que por não ter para onde ir, ou onde morar, acabam nas garras das cafetinas. Ela já sofreu muito na vida, já passou por muitas provações, e isso faz com que ela queira ajudar aqueles que estão passando pelo o que ela já passou, ou que não tenham mais ninguém a quem recorrer. Quando Vere e Lydia se encontram, acaba rolando uma enorme confusão. Para ela, ele é mais um solteirão que só pensa nele mesmo e não se importa com mais ninguém. Já Vere a vê como uma mulher que pensa o mesmo de todos os homens que vê pela frente: que são todos imprestáveis. Até o momento em que eles descobrem a verdade por traz de cada atitude, o leitor irá se divertir muito com toda a aventura que esse casal viverão.

"Os dois não eram domesticados nem decorosos, mas desafiadores,intrépidos, de sangue quente. Não eram totalmente civilizados e jamais seriam."

É sempre bom quando lemos um livro, seja ele de época ou não, e vemos as diferentes personalidades dos personagens. E é ainda melhor quando a personagem em questão é uma moça forte e determinada. Que está além da sua época, que não se importa muito para os padrões da sociedade, que se importa muito com outros além de si mesma, e ainda faz de tudo para ver algumas mudanças na sociedade em que vive. Lydia vai aonde quiser; seja em alguns lugares exclusivos para os homens, ou lugares em que eles são predominantes. Não tem medo de lutar por aquilo que acredita; para defender pessoas – principalmente mulheres – que são constantemente enganadas e acabam vendendo seu corpo para sobreviver. Ela sabe de todos os abusos, exploração sexual e trabalho infantil que sofrem aqueles que não possuem nada. Isso é sempre mostrado nos romances de época: como as mulheres sofriam no século XIX. Sofriam por não possuírem títulos, algumas por serem muito bonitas, por serem inteligentes. Sendo Lydia uma pessoa com essa personalidade, ela às vezes tenta não sentir, não se deixar levar pelo sentimento que está começando a surgir em seu coração. Mas quando Vere aparece na vida de Lydia, algumas coisas tendem a mudar. O que faz com ela tente se manter afastada dele. Na sua concepção, ao se casa a mulher perde a liberdade e acaba sendo submissa ao marido, que ao deixar-se ser seduzida por Vere, ela se tornará só mais um nome em meio a tantas que ele já teve. Contudo, aos poucos Vere a faz perceber que ela nem sempre está certa.

“- Você precisaria de mais motivos. Você me odeia. - Não fique tão lisonjeada. – Ele franziu a testa. – você é apenas irritante”.

É sempre difícil para autores escrever sobre histórias que possuem o mesmo pano de fundo. É sempre difícil inova e trazer algo novo para os leitores. E isso a Loretta faz muito bem! Seus livros são divertidos, reflexivos, românticos; possui ação, personagens maravilhosos e um desfecho incrível.

O Último dos Canalhas é um livro divertido, emocionante, com um romance capaz de cativar a todos. Um livro que nos faz pensar. E o melhor, ainda temos a chance de rever os personagens do livro anterior (Lorde Dain ). Mais um livro de época que amei! Posso até parecer suspeita em falar, já que amo praticamente todos os livros com esse gênero. Mas esse é sim um livro incrível, com artimanhas e aventuras, onde o amor sempre prevalece. Sei que é bem clichê. Mas fazer o que? Eu amo! 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou do post? Então deixe seu comentário. Mas lembre-se, não serão aceitos comentários que contenham qualquer tipo de preconceito ou palavras de baixo calão, respeite os demais leitores.

Obrigada por comentar e volte sempre!!

© 2017 x Design e Código: Sanyt Design x Livros e Café • voltar ao topo