11 de outubro de 2017

[RESENHA] O ódio que você semeia - Angie Thomas


Uma história juvenil repleta de choques de realidade. Um livro necessário em tempos tão cruéis e extremos.
Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial.Não faça movimentos bruscos.Deixe sempre as mãos à mostra.Só fale quando te perguntarem algo. Seja obediente.Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto.Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início.Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa.Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.

Jovem Adulto | 378 Páginas | Cortesia Galera Record | Skoob | Classificação: 5/5  


“The Hate U Give Little Infants Fucks Everybody (O ódio que você passa pras criancinhas fode com todo mundo)”

Estou escrevendo esta resenha ao som de Racionais Mcs, que em minha opinião, tem tudo a ver com esse livro. Existem certos tipos de livros que vai muito além da história contada. Alguns livros nos entretêm, nos diverte; mas existem livros que nos ensinam, que nos fazem pensar, que nos fazem questionar o mundo em que vivemos. Faz-nos questionar a sociedade, as pessoas, as regras, as leis. Encontrei tudo isso em “O ódio que você semeia”, um livro que traz questionamentos que precisam ser debatidos e discutidos abertamente por todos.  

Leia também:

Em 1997, o grupo Racionais escreveu em uma de suas músicas: "60 por cento dos jovens de periferia sem antecedentes criminais já sofreram violência policial. A cada quatro pessoas mortas pela policia, três são negras. (...) a cada quatro horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo". Foi dessa forma que o grupo iniciou a música "Capítulo 4, Versículo 3". Por que citei essa música? Porque é basicamente disso que o livro fala. Da violência, do preconceito contra um grupo de pessoas apenas pela cor de sua pele. O livro conta a história e a vida da jovem Starr. O livro começa quando ela estava em uma festa com seu melhor amigo Khalil, quando, de repente, começa um tiroteio e eles precisam fugir dali. No caminho para casa, eles são parados pela polícia. Quando jovem, o pai de Starr sempre disse a ela e o que fazer quando fosse parada pela polícia: “Não faça movimentos bruscos. Deixe sempre as mãos à mostra. Só fale quando te perguntarem algo. Seja obediente”. No entanto, mesmo fazendo tudo o que seu pai disse, por um erro, por um movimento errado, Khalil é morto. Starr, a única testemunha do crime, agora precisa decidir ficar calada ou usar sua voz para trazer justiça a seu amigo.  

“Khalil foi silenciado, mas vamos nos juntar e fazer com que nossas vozes sejam ouvidas em seu nome.”

Um livro com esse tipo de narrativa nunca é fácil de ser lido ou discutido. É uma história real, crua, que vivemos, que enfrentamos há anos e, mesmo assim, está longe de ter um fim. Mesmo que o livro não tenha sido baseado em “fatos reais”, a história contada é a realidade de muitos. Quantas vezes não ouvimos sobre pessoas que são vítimas de violência por parte da polícia? São vítimas de preconceitos e discriminação por conta da cor de sua pele? Será que algumas pessoas enxergam apenas uma cor ao invés do ser humano?! A vida de Starr e Khalil é a realidade de pessoas que moram em periferias, em lugares dominados pelo crime. Starr é uma das personagens que mais amei. Ela é forte, possui um coração enorme. A jovem vive duas realidades: estuda em uma escola cara, onde a maioria dos estudantes são brancos, e mora em um bairro dominado pelas gangues. Ela não quer que essas duas realidades um dia se misturem. Por isso, quando está na escola, ela precisa pensar antes de falar gírias, antes de demostrar o que sente. Mas, conforme a narrativa segue, ela cresce e se fortalece.

“Às vezes, você pode fazer tudo certo, e mesmo assim as coisas dão errado. O importante é nunca parar de fazer o certo.”

Quando Khalil é assassinado tudo desmorona na vida de Starr. Ela precisa decidir se contará a todos o que houve naquela noite, já que ninguém sabe que ela estava presente. No entanto, conforme tudo começa a sair do controle, e Khalil é mostrado como uma pessoa ruim que merecia morrer, ela precisa encontrar sua voz para defender seu amigo, fazer justiça em nome dele e contar a todos a verdade. Mas não será fácil para ela e nem para sua família. Obter justiça não é fácil para pessoas como ela.    

“Qual é o sentido de ter voz se você vai ficar em silêncio nos momentos que não deveria?”

Outro ponto forte do livro foi a família de Starr. Eles são as pessoas que sempre estão ao lado da moça, lhe oferecendo apoio e conselhos. Maverick, pai de Starr é um ex-presidiário que teve uma segunda chance na vida e faz de tudo para ajudar os moradores do bairro, e principalmente, os jovens que estão indo por um caminho errado. O relacionamento da jovem com o pai é lindo, cheio de momentos inspiradores. A mãe de Starr, Lisa é o alicerce da família. Sempre mantendo todos unidos, e dando conselhos preciosos a filha. Os irmãos da jovem são outros que amei no livro: Seven é o meio irmão de Starr, mas isso não diminui o amor entre os dois. Seven é protetor, sempre preocupado com a mãe (que não é a Lisa) e suas outras irmãs, que vivem com um cara muito perigoso e chefe de uma das gagues do lugar onde moram. Starr não conseguiria se manter forte se não fosse o apoio da família.

“ - Ter coragem não quer dizer que você não esteja com medo, Starr. Quer dizer que você segue em frente apesar de estar com medo.”

Além disso, ainda tem o namorado de Starr, Chris, que teve uma grande participação no livro. Seu relacionamento com Starr sofre com problemas, ainda mais pelo fato do garoto ser branco. Starr muitas vezes se questiona sobre namorar um cara que não seja negro. Sobre o que as pessoas pensarão sobre ela. Sobre o que o pai pensará quando souber e conhecer Chris. Nem preciso dizer que torci pelo casal. Chris foi um dos personagens secundários que mais gostei nesse livro. Ele é fofo, atencioso, amoroso e ama Starr acima de tudo. Tem também Maya e Hailey, amigas de Starr. Eu gostei muito da Maya  pela sua personalidade e sua amizade com Starr. Já Hailey... deu vontade de socar a cara dela muitas vezes. A menina é uma daquelas pessoas que te deixa com raiva todas as vezes que abre a boca. 

Mas, além dos personagens, a mensagem que o livro traz é o mais importante. A obra fala sobre as injustiças que os negros sofrem. Da opressão por parte da polícia. Do fato das pessoas julgarem baseado no que ouviu na mídia. Angie Thomas nos faz pensar, nos
força a questionar o mundo em que vivemos. Como disse, a narrativa é real e crua. É um tapa na cara da sociedade, um soco no estômago. A autora fala sobre os medos, inseguranças e sonhos dessas pessoas. Angie Thomas ainda nos faz pensar: será que somos preconceituosos? Será que o que eu falei para fulano está certo? Será que as piadas que fazemos, lá no fundo foram preconceituosas? Pensamos, pensamos e pensamos. E no final, chegamos à conclusão de que todos nós somos/fomos preconceituosos em algum momento das nossas vidas.

“Engraçado. Os senhores de escravos também achavam que estavam fazendo a diferença na vida dos negros. Que os estavam salvando do "jeito selvagem africano". Mesma merda, século diferente. Eu queria que pessoas como eles parassem de pensar que gente como eu precisa ser salva.”

O ódio que você semeia é um livro impactante. Que precisa ser lido por todos. Que precisa ser discutido. Não importa se você tem dezesseis anos ou quarenta. LEIA!








23 comentários:

  1. Já li algumas resenhas deste livro e percebo em todas elas que é uma leitura impactante para os que não conhece na pele como é viver em uma sociedade preconceituosa. Gostei muito de ter citado a música do Racionais, as letras deles sempre trazem alguma mensagem para se refletir.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Dani! Amei a sua resenha! Foi bastante clara e realista não apenas quanto ao conteúdo do livro, mas como ele é atual e original. Se antes eu tinha dúvidas, agora sei que é uma leitura que preciso fazer.
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  3. Oi Dani, adorei a premissa do livro e gostei muito da forma como vc escreveu a sua resenha. Fiquei muito instigada a ler e ter minhas próprias impressões. Obrigada pela dica. Bjs Tell me a Book

    ResponderExcluir
  4. Oi Dani,
    Adorei a sua resenha e já faz um tempão que eu quero ler algum livro da autora. Achei a proposta do livro acima de tudo muito séria. O fato de retratar na história uma coisa que acontece todos os dias no Brasil e no mundo.
    Beijos
    Blog Relicário de Papel

    ResponderExcluir
  5. Este é daqueles livros que estão no topo da minha wishlist, quero muito ler =)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
  6. Olá!! :)

    Eu confesso que nunca tinha ouvido falar sobre este livro, mas fiquei curioso, mesmo que não esteja acostumado a ler histórias reais.

    É claro que a narrativa crua não é tão simples de ser lida, mas ainda bem que o tema é bem abordado, incluindo a parte da opressão policial, que é simplesmente vergonhosa.

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Dani, tudo bem? Essa é a primeira resenha que leio sobre esse livro e já quero para mim.
    Achei um livro de leitura muito forte e como você mesma disse nos faz refletir e sermos verdadeiramente críticos.
    Parabéns pelo blog;
    abraço

    ResponderExcluir
  8. Oi Dani! Por tudo que li da sua resenha e das críticas que venho acompanhando em relação a esse livro, ele é um soco na nossa cara de uma maneira muito positiva e pertinente. Com certeza quero ler!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Tenho uma amiga que leu e gerou um leve debate sobre racismo em nosso grupo no wpp (em que só tem um negro). Foi muito bom e, claramente, fiquei com muita vontade de ler o livro porque também preciso de um "choque de realidade" que na verdade não é a minha realidade mas a realidade de milhões de pessoas. Independente da narrativa e tal espero gostar da leitura.

    ResponderExcluir
  10. Poxa! Fiquei bem interessada em ler, apesar de assistimos, lermos o tempo todo sobre a violência, discriminação e coisas parecidas, cada é história é única.
    Parabéns pela resenha. Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi,
    Já vi algumas resenhas sobre esse livro e acho seu tema muito interessante e como você disse um livro que faz pensar em nossas atitudes. Se conseguir quero ler também.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Dani, não conhecia a obra, mas já me interessei,pois adoro livros fortes que no choca e nos leva a essa reflexão e debate, pois estamos vivendo em uma sociedade muito preconceituosa, intolerante e mesquinha. Com certeza essa leitura é obrigatória. Ótima dica. Bjs

    ResponderExcluir
  13. olá... deve ser mesmo uma leitura impactante.... interessante a ligação que você fez da obra com a música de Racionais... deve ser lido e discutido mesmo, a temática abordada é deveras importante...
    bjs...

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem? Esse livro esta na minha listinha de leitura e espero ler em breve. É interessante o tema que aborda e o impacto que ele causa no leitor e nos faz refletir.
    bj

    ResponderExcluir
  15. Quero muito ler este livro porque o tema é pertinente, infelizmente e precisamos ser multiplicadores de amor para as pessoas recheadas de preconceito e segregação. Adorei a resenha
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Nunca havia visto esse livro antes, nem ouvido falar dele. Mas achei a temática maravilhosa. E quando você associou aos racionais, logo imaginei que era uma escrita crua. Mas muitas vezes é necessário esse tipo de leitura, exatamente pra tocar em pontos chaves, que precisam ser debatidos.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  17. Olá...
    Sua resenha me fez lembrar que minhas leituras andam atrasadas... Estou com esse livro na estante e preciso o ler urgentemente!!!
    Achei sua resenha simplesmente maravilhosa e com certeza minha vontade de ler triplicou!!!
    Bjo

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    Primeiro de tudo eu quero te dar parabéns por esta resenha maravilhosa. Você arrasou!
    Estou mais do que ansiosa para ler este livro, porque mesmo sem ter lido ainda concordo com você que é uma temática importante e que deve ser discutida. Acredito em você quando fala que não é uma leitura fácil, ainda mais quando pensamos que esta é a realidade de muitas pessoas, mas fico feliz de saber que a autora trouxe um tema tão importante de uma maneira direta e realista.
    Adorei sua resenha e estou ainda mais ansiosa para conferir a obra.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas só de ler a sinopse já veio aquele sentimento de "preciso ler isso". A história parece ser bem tensa, real. Achei muito interessante o tema abordado e sua resenha só aumentou minha vontade de ler. Adorei o post.
    Até mais o/

    ResponderExcluir
  20. Não conhecia essa obra, mas achei bem interessante a premissa.
    Acho que é um livro que, no final das contas, precisa ser lido.
    Dica mais que anotada.
    Obrigado pela dica e parabéns pela resenha.


    Beijinhos!

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  21. Oi Dani!
    Tenho visto inúmeras resenhas positivas sobre esse livro, e me sinto cada vez mais tentada a lê-lo! Gosto de livros que nos ensinam, fazem com que fiquemos de olhos abertos para a realidade da vida!!

    Beijokas

    ResponderExcluir
  22. Oi, tudo bem?
    Eu estou com esse livro aqui para ler e por conta disso acabei lendo sua resenha meio por cima, pois gosto de saber poucas coisas sobre uma história antes de lê-la, sabe? No entanto, pelos seus comentários deu para perceber que a obra está realmente muito bacana, gostei das suas impressões, elas me animaram ainda mais para a leitura. Enfim, espero gostar tanto quanto você.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  23. oi, dani, eu amei amei amei esse livro. Ele foi um tapa na cara para mim e tem personagens incríveis e esse tom de realidade é maravilhoso. Adorei saber que você também gostou.

    ResponderExcluir

Gostou do post? Então deixe seu comentário. Mas lembre-se, não serão aceitos comentários que contenham qualquer tipo de preconceito ou palavras de baixo calão, respeite os demais leitores.

Obrigada por comentar e volte sempre!!

© 2017 x Design e Código: Sanyt Design x Livros e Café • voltar ao topo