21 de abril de 2018

[RESENHA] A Guerra Que Salvou a Minha Vida - Kimberly Brubaker Bradley


Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando.
Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.
Kimberly Brubaker Bradley consegue ir muito além do que se convencionou chamar “história de superação”. Seu livro é um registro emocional e historicamente preciso sobre a Segunda Guerra Mundial. E de como os grandes conflitos armados afetam a vida de milhões de inocentes, mesmo longe dos campos de batalha. No caso da pequena Ada, a guerra começou dentro de casa.
Essa é uma das belas surpresas do livro: mostrar a guerra pelos olhos de uma menina, e não pelo ponto de vista de um soldado, que enfrenta a fome e a necessidade de abandonar seu lar. Assim como a protagonista, milhares de crianças precisaram deixar a família em Londres na esperança de escapar dos horrores dos bombardeios.
Vencedor do Newbery Honor Award, primeiro lugar na lista do New York Times e adotado em diversas escolas nos Estados Unidos.
Infanto Juvenil | 240 Páginas | Kimberly Brubaker Bradley | Duologia A guerra que salvou a minha vida #1 | Editora DarkSide Books | Skoob | Classificação: 5/5


“Existe guerra de tudo quanto é tipo.”

Vocês não imaginam a vontade que eu estava de ler esse livro. A começar pela capa linda e pelo designer do livro, e depois de tantas resenhas sobre ele, sobre o quanto ele era bom, o quanto a narrativa era intensa e maravilhosa, eu me senti forçada a lê-lo. Assim que comprei o livro e o recebi em casa, não perdi tempo e já iniciei a leitura. Pela sinopse da obra vocês já tem uma base do que se trata a historia do livro, e já tem uma ideia que será uma ótima leitura. A Guerra que Salvou a Minha Vida é um livro narrado de forma emocionante por uma criança. Esse tipo de narrador é sempre algo que gosto em livros. Esse tipo de narrativa sempre é feita de forma muito verdadeira. Parece que as descrições que elas fazem são mais reais. Por esse motivo, esse livro foi uma das melhores leituras que fiz recentemente. Desde a primeira página o leitor encontra um livro carregado de dor e sofrimento. As personalidades dos personagens, principalmente de Ada e seu irmão Jamie, me encantaram desde o início. 

“Você é perfeitamente capaz de aprender. Não dê ouvidos a quem não conhece você. Escute o que sabe. Escute a si mesma.”


Conhecemos Ada e Jamie, duas crianças que vivem com a mãe em Londres, um lugar que está perto de ser um campo de guerra. Há muito tempo Ada vive confinada dentro da própria casa, sem poder sair, sem poder ser vista. Isso porque a mãe não quer que ninguém a veja e perceba a “deformidade” que Ada possui. A garota nasceu com o pé torto, e sua mãe considera isso algo nojento. Ada é obrigada a cozinhar para a mãe, limpar a casa, cuidar do irmão – que ela ama mais que tudo. Se isso não bastasse, sempre que a mãe a considera uma menina má e desobediente, ela precisa ficar trancada dentro de um armário cheio de baratas.  Ada nunca soube o que era um lar de verdade, um família amorosa, e pessoas que se importam com ela e que a amam. E, quando a ameaça de uma guerra faz com que as crianças precisem deixar suas casas para viver com outras famílias, Ada vê a chance de ser livre. Sem o conhecimento da mãe, Ada foge com seu irmão para o interior. No entanto, quando chegam, nenhuma família tem o desejo de abrigar os irmãos. Cabe a uma jovem solteira cuidar delas até que a guerra termine. É na fazenda de Susan que Ada encontra algo que nunca teve: amor fraternal. É nesse lugar que ela passa a ter tudo que nunca teve antes, que passa a conhecer sobre coisas que nunca imaginou existir. É ao lado de Susan e Jamie que Ada encontra amor, paz, liberdade e família.

“Era como se eu tivesse nascido ali na vila. Como se tivesse nascido com os dois pés bons. Como se fosse realmente importante e amada.”


Assim que li a primeira linha do livro, a primeira descrição e os primeiros sentimentos da protagonista, eu morri de amores por ele. É difícil ler tudo o que a menina precisa enfrentar: o descaso, a falta de amor e de carinho por parte da mãe. Fica difícil não querer abraçar a garotinha, consolá-la quando a mãe a agride: seja com palavras, ou de forma física. Sentimos pela dor dela, pelo sofrimento de não ser igual às outras crianças, o medo e a desconfiança, ainda mais quando alguém age de forma carinhosa e preocupada com ela. É lindo ver a forma como ela se preocupa com seu irmão, a forma como ela o protege, o defende. Ada é inteligente, mesmo que sempre tenha ouvido o contrário da mãe. Todos os maus-tratos que recebeu na mão da mulher deixaram marcas profundas na garota. Ela sempre teme o pior, ela tem certeza que nada dará certo para ela, que ela e o irmão serão abandonados, que serão mandados de volta para casa.

“Burra. Retardada. Educável. Zelosa. Eram só palavras. Eu estava tão cansada de palavras sem sentido." 


Ada nos emociona com suas palavras, mas também nos encantamos com seu irmão. Mesmo tendo uma vida difícil, Jamie sente falta da mãe. Ele que nunca sofreu tudo o que a irmã enfrentou, ainda deseja ser levado para casa e estar ao lado da mãe. Junto com ele, também conhecemos uma mulher incrível, que mesmo não sabendo como criar duas crianças, os aceitaram e fez de tudo para dar amor, segurança, uma vida confortável e uma família a eles. Ela passou a lutar pelas crianças com unhas e dentes. Susan ainda precisa enfrentar a depressão e a perda de sua melhor amiga. Ela, quando recebeu as crianças em sua casa, não sabia que eles seriam a cura que ela tanto buscava. Não foi somente ela que os salvaram quando aceitou cuidar deles, mas eles também a salvaram de uma vida solitária. Cada personagem traz algo de bom para a narrativa, fazendo com que o livro seja ainda melhor.

“Sua coragem, sua disposição e sua determinação levarão você a sua vitória, minha querida.”


A Guerra que Salvou a Minha Vida foi tudo aquilo que eu imaginei que seria: uma leitura emocionante, reflexiva, sincera e impactante. Um livro que, mesmo sendo voltado mais para o público infantil, pode e deve ser lido por pessoas de todas as idades. Agora estou ansiosa pela leitura do segundo livro (que já tenho em casa). Espero poder continuar me emocionando com a escrita da autora e com a vida desses personagens que me conquistaram.  






18 comentários:

  1. Eu amo histórias sobre guerra e amo demais histórias com crianças. Os dois então, sempre conquistam meu coração! Eu não li até hoje nenhum livro da DarkSide, mas sempre fico babando nas edições! Essa então, está maravilhosa! Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  2. Também sou louca para ler esse livro. Ele já está na minha meta de leituras desse ano, e espero poder ler em breve. A edição é muiiito linda. Eu não sabia até ser lançado que teria a continuação, e já estou louca para ter ela na minha estante também. Que bom saber que a leitura é aquilo que você esperava.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  3. fico feliz que você tenha apreciado e se emocionado com a leitura... eu amo histórias ambientadas na guerra mas ainda nao tive chance de ler essa publicação... espero fazê-lo em breve...
    bjs ^^

    ResponderExcluir
  4. Oi Dani, quando eu peguei esse livro pra ler eu achava que seria tão dramático que não iria gostar, mas no fim das contas eu me surpreendi com a narrativa. Não é pesada, mas com certeza faz a gente refletir e ficar indignada com tudo que as crianças passam! Também quero ler a continuação!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    Acho que até prefiro quando tema pesados são tratados através do ponto de vista de uma criança. Acho que isso acaba trazendo certa leveza e inocência aos acontecimentos.
    Imagino que eu passaria um tanto bom de raiva com a mãe da menina, mas seria legal acompanhar essa nova interação.
    Adorei a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu li esse livro no ano passado. Apesar dos temas abordados e tals, ele não me conquistou taaanto como eu queria que tivesse me conquistado. Mas foi uma boa leitura, de todas as formas.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Eu ainda não li o livro, mas por causa das críticas positivas, eu tenho curiosidade para fazer a leitura, até mais do que a própria sinopse. Mas tenho um receio por só ter lido críticas positivas e me decepcionar quando ler. Então pretendo dar um tempo para fazer a leitura.
    Gostei da sua resenha!
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Esse livro está no topo da minha lista de próximas aquisições. Não só pq eu adoro um drama, mas pq os livros da Darkside sempre me deixam animadas para comprar kkkk
    Já li inúmeras resenhas de A guerra que salvou minha vida e acho que nunca vi nenhuma que tenha sido negativa. Gosto mt de histórias com criança, ainda mais uma com tantas transformações e superações.
    Espero ler logo.
    Gostei muito da resenha :)

    ResponderExcluir
  9. Oi! Esse é um dos meus livros favoritos! A história de ada é tão linda, tão cheia de ensinamentos que é impossível não se emocionar! O modo como ela foi criada pela Mãe, o modo como era tratada em diferença ao irmão, e depois, a ida pra esse novo lugar, conhecer e aprender a viver com outras pessoas e conhecer de fato o amor como deveria ser. Eu recomendo pra todo mundo!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi.

      Esse livro é para ler 3 se emocionar mesmo. Você fica com muita pena da Ada é uma raiva tão grande da mãe, que é difícil não se apegar à personagem e tentar protegê -la de tudo (mesmo que ela seja um personagem fictício).

      Beijos.

      Excluir
  10. Sua resenha simplesmente me encantou. Eu fiquei fascinada pela história desse livro e mesmo com poucas palavras, você conseguiu me conquistar com a sua resenha.

    Eu fiquei com uma pena enorme da Ada e se eu pudesse adotava ela pra mim e mostraria que ela pode tudo sim, que só basta ela querer.

    Adorei a sua resenha e adicionei esse livro nos meus desejados do Skoob.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Estou com esse livro na estante desde que foi lançado. Só vejo bons comentários sobre o enredo e sobre como pode ser lido por todas as idades, mesmo com uma pegada mais juvenil. Acho que vou me encantar e me emocionar com os personagens.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?

    Já vi várias resenhas desse livro e só fico com mais vontade de ler. Confesso que não é meu tipo de leitura, mas o fato de ver tanta gente elogiando, fica difícil não querer ler. Além dessa capa, né?! A Dark sempre arrasa nos livros, é impossível não babar pelos livros! Dica mais do que anotada.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi.

      Sei bem como é. Mas as vezes somos surpreendidos pelo livros mesmo que ele não seja do gênero que gostamos. Vale a pena dar uma chance.

      Excluir
  13. Oi Dani,
    Meu Deus, não acredito na forma como você escreveu sua resenha. Não imaginei que pudessem existir palavras para falar sobre esse livro, mas você o fez de uma forma incrível. Concluí essa leitura há quase um mês e ainda não encontrei palavras para descrever o que senti ao ler esse livro que foi, como para você, tudo o que eu imaginava. A coisa que mais me encantou nesse livro foi a forma como a Ada lida com a vida. Como ela acha que todos vão pensar o mesmo que a mãe por conta de sua deficiência e como tudo se desenrola, é encantador, né? Dá vontade de reler infinitamente esse livro.
    Beijos,
    https://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna.

      Eu também tive dificuldades em escreveressa resenha, parecia que eu não conseguia colocar em palavras os sentimentos com relação ao livro. Dá vontade mesmo de reler assim que você termina.

      Beijos.

      Excluir
  14. Oi Dani, como está?
    Nunca vi uma resenha tão intensa e ao mesmo tempo tão precisa de um livro como esse! Já tinha ouvido falar dele antes do lançamento e as resenhas lidas até hoje dele foram todas positivas, mas essa tua me deixou com MUITA vontade de realizar essa leitura. Ainda mais porque essa edição da Darkside tá um luxo!
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Li uma resenha desse livro e fiquei tão apegada, pensativa, pensando que histórias com essa temática são importantes pra mostrar que as vezes temos que descer do pedestal que nos colocamos. Sei que apesar ser infante-juvenil temos muito que aprender com a história de duas crianças que conheceram um lado da vida que muitos de nós desconhece completamente. Amei a resenha! Beijos

    ResponderExcluir

Gostou do post? Então deixe seu comentário. Mas lembre-se, não serão aceitos comentários que contenham qualquer tipo de preconceito ou palavras de baixo calão, respeite os demais leitores.

Obrigada por comentar e volte sempre!!

© 2017 x Design e Código: Sanyt Design x Livros e Café • voltar ao topo